Dona de creche e técnico em informática são soltos pela Justiça



Presos em flagrante na tarde da segunda-feira, dia 15, pelo crime de fraude processual e encaminhados à Penitenciaria Modulada de Montenegro, a diretora da escola onde a monitora é suspeita de asfixiar uma criança de dois anos e o técnico de segurança que apagou as imagens do HD foram soltos pela Justiça. O delegado Marcos Eduardo Pepe havia pedido a prisão preventiva para os dois, mas a decisão negativa foi tomada pela juíza Débora Sevik, da 1ª Vara Judicial de São Sebastião do Caí.

Eles foram soltos nesta terça-feira, dia 16. De acordo com o delegado que investiga o caso, a dona da escola, que não teve seu nome divulgado, teria se comprometido a entregar as imagens feitas pelas câmeras de segurança, porém ela não retornou até a delegacia com o material. Então, o delegado enviou agentes até a escola para pegar o HD com as imagens, mas, ao chegar no local, a diretora pediu que retornassem depois do almoço, pois naquele momento havia crianças na escola.

Ao chegar na escola no horário combinado, a mulher entregou o HD com as supostas imagens, mas não havia nada nele. Os policiais confirmaram que o material foi apagado e conseguiram a informação de que um técnico teria levado o equipamento.

Este técnico, que não teve seu nome divulgado, apagou as imagens e teria cobrado o valor de R$ 50 para executar o serviço. Segundo ele, não sabia de nada e não viu as imagens, apenas executou o serviço pedido e apagou.

Em seu depoimento, a dona da escola disse que havia contratado o técnico em informática apenas para retirar o equipamento.

O HD foi enviado ao Instituto Geral de Perícias (IGP) para que os peritos tentem recuperar as imagens, conforme o delegado, há relatos de outras pessoas sobre as supostas agressões. Dependendo do conteúdo a diretora também pode ser indiciada por maus tratos.

O Ministério Público (MP), já apurava as condições de estrutura e preparação de monitoras desde o ano passado, pediu o fechamento da creche. A polícia garante que, mesmo com a tentativa de destruir as imagens, não será prejudicada a investigação anterior, afinal a agressão foi comprovada por vídeo.

Entenda o caso

Na sexta-feira, dia 12, foi presa a professora da creche, suspeita de tentar asfixiar uma criança de apenas dois anos, que estava na creche à apenas quatro dias, o ato não se concluiu pois colegas de escola entraram na sala, a agressão foi registrada por uma câmera de segurança instalada no local.

A funcionária que flagrou os maus tratos, informou a diretora da escola, que procurou a polícia, logo após localizar o vídeo da câmera que registrou a agressão. Os pais da criança notaram que mesma ficava chorosa, e não gostava de ir a escola, mas atribuíram o problema as dificuldades de adaptação.

Fonte ;Portal Leouve.

#ConexãoRS

5 visualizações0 comentário