Reforma trabalhista: novo cálculo para indenização por dano moral com a MP de ajustes



Entre as mudanças para ajustar pontos polêmicos da Lei 13.467, da reforma trabalhista, que passou a valer em 11 de novembro de 2017, a Medida Provisória (MP) publicada em edição extra do Diário Oficial da União de terça-feira (14)tratou de uma questão relacionada ao dano moral: a forma de cálculo das indenizações a serem pagas.

A reforma trabalhistaestabelecia que a indenização estava vinculada ao salário do trabalhador prejudicado. De acordo com o grau do dano sofrido, o juiz poderia definir indenização que variava de 3 a 50 vezes o último vencimento do empregado. Esta vinculação, que poderia gerar indenizações diferentes para empregados vítimas do mesmo dano, foi alvo de muitas críticas.

Leia mais Edição de MP da reforma trabalhista foi “grave erro”, diz Rodrigo Maia Reforma trabalhista: como fica a situação de grávidas e lactantes após MP de ajustes Perguntas e respostas: como ficou a reforma trabalhista com a nova MP publicada

A partir da MP publicada nesta terça-feira, a indenização segue tabelada, mas não está mais ligada ao salário do prejudicado. Agora, o valor a ser pago pode variar entre 3 e 50 vezes o valor equivalente ao teto dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), hoje em R$ 5.531,31. O valor vai continuar sendo calculado conforme a gravidade do dano sofrido.

Caso haja reincidência entre as partes, diz ainda a MP, a Justiça pode dobrar o valor da indenização. Mas isso somente se ocorrer ofensa idêntica no prazo de até dois anos, a partir da primeira condenação.

Tabela do dano moral, a ser fixada pelo juiz, conforme a MP

Ofensa de natureza leve: até 3 vezes o teto do INSS (R$ 16.593,93) Ofensa de natureza média: até 5 vezes o teto do INSS (R$ 27.656,55) Ofensa de natureza grave: até 20 vezes o teto do INSS (R$ 110.626,20) Ofensa de natureza gravíssima: até 50 vezes o teto do INSS (R$ 276.565,50)

O Congresso tem prazo de 120 dias para analisar as mudanças até que a MP perca a validade. Até lá, são estas regras que estão valendo.

Fonte:Diário Gaúcho.

#Brasil #ConexãoRS